Termos de uso | Política de Privacidade | Fale Conosco
Página Inicial

 

Usuários Cadastrados:
Hoje: 0
Ontem: 0
Total: 1138
Último: JAIKABULO

Quem está online:
Visitantes : 1
Usuários : 0
Total: 1
Listar Usuários [pop-up]

Cadastre seu e-mail e receba gratuitamente as novidades

Entrar

Google
 
Cotidiano : 
Enviado por Alguiberto Morais em 24/10/2012 10:10:00 (2995 leituras) Notícias do mesmo autor

Hoje segunda-feira(29), a cidade de Luís Gomes (452 de quilômetros de Natal) completa um ano sem água nas torneiras e bate um triste recorde no Estado.

O colapso no sistema de abastecimento teve início em outubro de 2011 quando secou o açude Dona Lulu Pinto, principal manancial do município, deixando toda a população à mercê de carros-pipa. A partir daí, deu-se início a uma corrida desesperada por água potável que gerou filas e bate bocas durante meses.


Só para se ter uma idéia, nos últimos 12 meses, os governos Federal, estadual e municipal disponibilizam juntos cerca de 300 mil litros de água tratada por dia para atender à demanda da cidade. Sem contar com os carros particulares que abastecem as residências por um preço médio de R$ 20,00, uma caixa com mil litros.

Todo esse líquido é transportado em caminhões-pipa que viajam mais de 100 km -- entre ida e volta -- e circulam dia e noite distribuindo em diversos pontos os milhares de litros para suprir a necessidade dos mais de 2 mil lares.

Atualmente as cisternas comunitárias estão com o abastecimento regular. As filas, que antes geravam confusões, estão mais controladas e mais educadas.


Passado os momentos mais críticos, aqueles em que toda água chegada era pouca e parecia não render nas caixas, moradores das zonas urbana e rural convivem e se adaptam naturalmente a um dos mais longos períodos de estiagem que a serra de Luís Gomes já viu.


Adaptação

Ser breve ao tomar um banho e reutilizar o mesmo líquido no vaso sanitário, são apenas duas das várias formas de economizar que o povo serrano aprendeu nos últimos 365 dias e, é também, uma prova de que o homem é um produto do meio em que vive.

O crescente agravamento da falta de água em Luís Gomes não só mostrou que o homem pode se adequar ao meio em que vive como levou as pessoas a estabelecerem normas próprias para economizar e mudar seus hábitos com relação ao consumo racional da água.

O costume de lavar carros e calçadas, deixar caixas transbordando por toda a noite e o desperdício de água de uma forma geral, práticas comuns nos tempos de abundância, já não são mais vistos nos dias atuais.



Vegetação sofre em razão do calor e do tempo seco

Apesar do clima ameno que a chapada da serra oferece durante o ano inteiro, a jardinagem urbana vem sofrendo com a carência de líquido. O verde, que antes predominava nos canteiros e nas praças, vem perdendo espaço para o cinza característico da caatinga nordestina.

Leiras de hortaliças, plantas ornamentais e fruteiras localizadas em chácaras e quintais de casas, já foram reduzidas pela metade por falta do precioso líquido em suas raízes.

Agricultura e economia de subsistência em queda livre

As roças de milho e feijão, cultivos tradicionais na região do semi-árido nordestino, não resistiram à falta de chuva e ao calor excessivo e o prejuízo nesse tipo de plantação ficou acima dos 85%. Em contrapartida, os agricultores foram contemplados com o Seguro Safra, programa do Governo Federal que é acionado quando ultrapassa os 50% de perca na lavoura.

Fonte de fartura no município, os cajueiros, que devido à grande quantidade de árvores não podem ser regados manualmente, sofrem com o tempo seco e registram a menor produção de castanha-de-caju dos últimos 20 anos.

A confecção do doce caseiro também foi afetada pela falta de chuva, que esse ano teve um acumulado de apenas 424mm, divido em pequenas precipitações.

Produzidas a partir da mandioca, um tubérculo que se adaptou ao solo e ao clima serrano, a fabricação de goma e de farinha está em declínio devido à aridez que vem mudando a paisagem dessa região do Rio Grande do Norte.

A fabricação artesanal da rapadura, um subproduto da cana-de-açúcar, teve queda superior a 90% por causa da seca. Segundo os donos de engenhos, as moagens não chegaram a 10% se comparadas há anos anteriores, e alguns produtores estão transformando os poucos canaviais que restam em ração animal para suavizar a fome do rebanho.

Já as pinheiras, outra fonte econômica do município e que já foram sinônimos de fortuna nas décadas de 70, 80 e 90, estão quase dizimadas por conseqüência das doenças, das pragas e das freqüentes estiagens que vêm transformando os campos em uma verdadeira Mata Branca.

Pecuária

Embora não seja um município de grandes criações, a seca e falta d’água já deu sua parcela de contribuição para diminuir ainda mais a quantidade de gado, ovelhas, porcos e galinhas em todo território Luís-gomense.

Por ausência de pasto, alimento básico para sustentar as cabeças de gado, o preço da carne de boi chegou a ser vendida a um preço de R$ 9.00, o quilo. Sem a oferta de animais gordos ou magros, o preço voltou a subir e já não se acha mais bois para suprirem a demanda dos frigoríficos locais.

O leite e o queijo coalho, que costumam desaparecer em tempos de escassez, estão cada vez mais difíceis e o pouco que têm no comércio sofrem aumentos periodicamente devido ao preço do resíduo, um tipo de ração animal que custa cerca de R$ 50,00 um saco com 50 kg.

Como não teve produção de milho, a criação de galinha caipira ficou praticamente impossível e muitos já desistiram de criar e reproduzir as aves no quintal de casa. Os ovos, que eram fontes de alimento e ainda davam um reforço nas finanças dos criadores, encontra-se com a produção reduzida em mais de 80%.

Turismo, fauna e flora

No turismo a seca deixa sua marca. Os pontos turísticos Mirante da Serra e Mirante do Rela, amargam quedas significantes devido ao tempo de escassez hídrica.

No caso do Mirante da Serra, que depende de muita água para alimentar as duas grandes piscinas, o local está operando só a parte de bar. A vegetação acinzentada também tem deixado o ambiente com a cor da caatinga brasileira.

Já o Rela, que depende exclusivamente de água para sustentar o leito do riacho e suas cachoeiras e, ainda, manter a vegetação sempre verde, perdeu cerca de 90% dos turistas e visitantes por causa da estiagem.

Os macacos-prego, que são nativos do lugar, quase não são mais vistos pulando de galho em galho. A procura de alimentos, alguns deles já foram avistados nas proximidades do Conjunto Sol Nascente, zona periférica da cidade.

Solução

Ao completar 100 dias sem água nas torneiras e devido aos transtornos causados pelo desabastecimento, o MP (Ministério Público) elaborou uma ação civil pública com pedido de tutela antecipada e deu o prazo de seis meses para que a Caern resolvesse o problema em definitivo permitindo a retomada de forma contínua do fornecimento de água nas torneiras.

Na mesma época, os moradores bloquearam a BR 405 por duas horas, na altura do distrito de Placas, para pedir uma solução imediata para o problema da falta d’água em Luís Gomes.

Paralela à ação de distribuição e para atender aos pedidos do MP e, ainda, aos manifestos populares, uma força tarefa realizada através da Semarh(Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos), aumentou a quantidade de carros-pipas, de reservatórios e perfurou vários poços artesianos -- alguns com boa vazão -- para tentar sanar a situação de penúria que vem eliminando as pequenas plantações situadas nas zonas urbana e rural do município. No entanto, os poços continuam inoperantes à espera de bombas, canos e cataventos.

Já os trabalhos de conclusão da Adutora Alto Oeste, que estiveram parados por dois anos, foram retomados no início de junho passado.

Os serviços recomeçaram entre as cidades de Rafael Fernandes e José da Penha, trecho que se encontra quase pronto e que possibilitará a chegada da água até o município de Luís Gomes.

De acordo com o secretário do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, Gilberto Jales, que no último mês de setembro visitou o canteiro de obras juntamente com o diretor-presidente da Caern, Yuri Tasso, a cidade de Luís Gomes e outras que compõem o sistema adutor Alto Oeste receberão água até o final deste ano.

Jales informou ainda que os dois sistemas, Santa Cruz e Pau dos Ferros -- que somam 320 quilômetros de adutora -- beneficiarão mais 200 mil pessoas.

Com a água da barragem de Santa Cruz, serão beneficiadas as cidades de Itaú, Rodolfo Fernandes, Tabuleiro Grande, Riacho da Cruz, Umarizal, Olho D’água dos Borges, Lucrécia, Frutuoso Gomes, Antônio Martins e João Dias.

O açude de Pau dos Ferros, beneficiará as cidades de Luís Gomes, São Francisco do Oeste, Rafael Fernandes, Marcelino Vieira, Pilões, Alexandria, Tenente Ananias, Riacho de Santana, Água Nova, José da Penha, Major Sales, Paraná e Pau dos Ferros. Alguns testes já foram realizados no trecho entre Rafael e Riacho de Santana.

Túnel do Tempo

A cidade de Luís Gomes teve acesso à água encanada no ano de 1981. Antes, todo o município era abastecido por animais que sobre o lombo carregavam duas ancoretas com água trazidas de cacimbas cacimbões e lagoas. O jumento, que por mais de 30 anos esteve afastado desse tipo de trabalho, voltou à atividade nessa seca.

No ano de 1999, o município serrano foi atingido por uma curta estiagem que fez o açude Dona Lulu Pinto secar pela primeira vez deixando toda população das zonas urbana e rural sem água nas torneiras por um período de mais de 90 dias. Sendo essa temporada, o primeiro teste de resistência para o povo serrano.

Durante este período os Luís-gomenses foram abastecidos por carros-pipa, que na ocasião cobravam cerca de R$ 50.00 por um tanque com 7 mil litros d’água.

Em 2001, enxergando futuras secas e o crescimento urbano acelerado, uma reforma aumentou em um metro o nível d’água do reservatório. No entanto, não foi suficiente e quatro anos depois a comunidade sofre novamente com a escassez. Na época, com menos de 5% de sua capacidade total, a água do açude foi considerada imprópria para o consumo humano.

Por estar situado a 645 metros do nível do mar e não ter locais para construções grandes barragens, o povo serrano sempre sofreu e teve dificuldade de acesso a esse líquido tão importante e indispensável ao ser humano.


Alguiberto Morais
Site Serra de Luís Gomes

Classificação: 9.00 (6 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
29/07/2014 19:10:00 -
06/03/2014 12:00:00 -
22/01/2014 11:50:39 -
03/12/2013 14:00:00 -
25/10/2013 18:00:00 -



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

Nossa gente!

sam 2198

sam 2198